Programa De Cardiologia Da Universidade De Loma Linda Recebe Acreditação

North American Division

Programa De Cardiologia Da Universidade De Loma Linda Recebe Acreditação

O American College of Cardiology é uma organização nacional dedicada a eliminar as doenças cardíacas como a principal causa de morte em todo o mundo.

A equipe do Programa de Insuficiência Cardíaca do Centro Médico Universitário de Loma Linda se reuniu para celebrar a acreditação concedida pelo American College of Cardiology (CAC) tanto para o atendimento hospitalar quanto ambulatorial, sendo um dos três centros no sul da Califórnia a receber a designação para o atendimento ambulatorial de insuficiência cardíaca.

O CAC é uma organização nacional dedicada a eliminar as doenças cardíacas como a principal causa de morte em todo o mundo. O programa de acreditação exige equipes multidisciplinares estabelecidas para implementar e monitorar a melhoria sustentável da qualidade no cuidado ao paciente.

"Estamos muito satisfeitos em receber a acreditação do CAC para o nosso programa", diz o Dr. Antoine Sakr, diretor do Programa de Insuficiência Cardíaca da ULL. "A acreditação confirma a alta qualidade do atendimento especializado que oferecemos a todos os pacientes que chegam à nossa instituição com insuficiência cardíaca".

Mais de 6 milhões de adultos americanos sofrem de insuficiência cardíaca, uma doença grave que ocorre quando o coração não consegue bombear sangue e oxigênio suficientes para manter os outros órgãos funcionando. Denise Petersen, coordenadora do programa, diz que a insuficiência cardíaca é uma doença crônica que é controlada mais do que curada.

"Muitas vezes, os pacientes não sabem que têm uma doença cardíaca ou danos no coração até desenvolverem sintomas como falta de ar, inchaço ou fadiga, que os levam a um serviço de emergência onde recebem o diagnóstico de insuficiência cardíaca", diz Petersen.

Os pacientes com insuficiência cardíaca precisam de um controle a longo prazo dos sintomas e tratamento da causa da sua insuficiência cardíaca, que, segundo Petersen, pode incluir doença cardíaca isquêmica, miocardiopatia, hipertensão e influências tóxicas como quimioterapia ou uso de drogas ilegais.

"Há muitas causas diferentes de insuficiência cardíaca, então as equipes de cuidados especializados devem ser capazes de analisar e identificá-las em cada paciente para estabelecer um tratamento personalizado", afirma Petersen. "Estudos têm mostrado que os pacientes com insuficiência cardíaca têm uma evolução melhor e um prognóstico mais favorável quando são acompanhados por uma equipe cardíaca especializada".

O Centro Médico da ULL oferece um programa ambulatorial para pacientes com insuficiência cardíaca desde a década de 1990. Desde então, o programa tem tratado a longo prazo inúmeros pacientes com insuficiência cardíaca, como Jeanice Jetters, que trabalha com a equipe do Projeto de Insuficiência Cardíaca da ULL há 20 anos.

O programa também ajuda a tratar pacientes de alto risco e complexidade com insuficiência cardíaca relacionada à gravidez, como Brittany Torres e LaCresha Bell.

Proporcionar atendimento de alta qualidade para pacientes com insuficiência cardíaca requer uma colaboração multidisciplinar entre vários subespecialistas do Centro Médico da ULL, como cirurgia cardiotorácica, cardiologia intervencionista, eletrofisiologia, cardio-oncologia e outras especialidades para o tratamento de comorbidades como diabetes, obesidade ou doença pulmonar obstrutiva crônica que afetam a qualidade de vida geral dos pacientes.

Petersen afirma que o Programa de Insuficiência Cardíaca se expandiu ao longo dos anos para atender às crescentes necessidades dos pacientes, especialmente no condado de San Bernardino, o maior condado geográfico do país, conhecido por sua grande população de pessoas com doenças cardíacas.

No horizonte do Programa de Insuficiência Cardíaca da Universidade de Loma Linda, existem oportunidades para realizar atividades de divulgação comunitária e palestras preventivas, ajustar-se constantemente às diretrizes atualizadas e agilizar a continuidade do cuidado dos pacientes desde as visitas ao serviço de emergência até o tratamento pós-alta hospitalar na clínica ambulatorial.

A versão original deste artigo foi publicada pelo site da Universidade de Loma Linda.